10 tendências de marketing com influenciadores digitais para 2019 - K2.
Psicologia dos vídeos: o incentivo a decisões de compras
Psicologia dos vídeos: o poder de tornar as pessoas mais propensas a comprar
5 de dezembro de 2018
Como usar vídeos em todo o funil de vendas
Como usar vídeos em todo o funil de vendas
19 de dezembro de 2018

10 tendências de marketing com influenciadores digitais para 2019

10 tendências para marketing de influenciadores digitais em 2019

A utilização de influenciadores digitais em estratégias de marketing vem se consolidando como uma das apostas mais certeiras no acirrado campo de batalha virtual. De olho no que está se desenhando como melhores práticas para 2019, o blog da Entrepreneur elencou 10 tendências que servirão de norte para ações voltadas para atração, retenção e fidelização de clientes.

O marketing de influenciadores digitais é um híbrido de ferramentas antigas e novas, que carrega a ideia do endosso da celebridade e a reconfigura para se adequar ao mundo orientado para as redes sociais da atualidade.

>>> Influenciadores digitais e vídeo: uma estratégia de marketing matadora

Ao contrário das celebridades, os influenciadores podem vir de qualquer origem ou indústria e podem ter quantidades variadas de seguidores. Uma coisa que todos eles têm em comum é o fato de serem figuras da mídia social que reuniram um público definido em torno de si.

Influenciadores digitais: voz humana às marcas

O marketing de influência é menos direto que outras formas tradicionais, mas, quando bem feito, cria uma maneira autêntica de se conectar com as pessoas.

E está crescendo aos trancos e barrancos a cada ano. O marketing de influência está pronto para atingir entre US $ 5 bilhões e US $ 10 bilhões até 2022. À medida que mais empresas começam a experimentá-lo, ele continua a evoluir e se adaptar ao mercado.

Então, antes de começar a construir sua próxima campanha com influenciadores digitais, aqui estão 10 tendências que você precisa ficar de olho.

1. Maior ênfase no marketing de influenciadores digitais em 2019

As marcas estão usando o marketing de influenciadores mais do que nunca, e essa tendência certamente continuará em 2019 e além. A realidade é que o marketing tradicional centrado na TV e no rádio não é mais tão eficaz quanto costumava ser. Então, as marcas estão concentrando seus esforços nos lugares onde o público passa seu tempo – on-line e, muitas vezes, nas redes sociais.

As empresas estão encontrando um retorno sólido quando se trata de marketing de influência. De acordo com o estudo Influencer Marketing Hub 2017, as empresas estão ganhando US $ 7,65 em média para cada US $ 1 gasto. Por isso, não é surpresa que as plataformas de marketing de influência tenham mais do que dobrado nos últimos dois anos.

O marketing de influência é incrivelmente eficaz porque confiamos de forma inerente nas pessoas que acompanhamos nas redes sociais. Afinal, nós não estaríamos seguindo-os se não gostássemos deles! Então, quando um influenciador digital defende sinceramente um serviço ou produto, seu público o ouve.

2. Micro-influenciadores estão causando impacto

Como se vê, maior nem sempre é melhor quando se trata de influenciadores. As marcas estão se concentrando no poder dos micro-influenciadores, os quais geralmente têm menos de 10 mil seguidores nas mídias sociais. Motivo: os micro-influenciadores são vistos mais como pessoas “normais”.

Eles se envolvem e interagem com seus seguidores com mais frequência e são percebidos como mais confiáveis e autênticos. Enquanto isso, “mega-influenciadores” e celebridades podem ter centenas de milhares ou até milhões de seguidores, mas nem sempre são tão interativos com seu público e podem parecer menos acessíveis.

Micro-influenciadores tendem a ter conhecimento sobre o seu nicho e seus seguidores são mais propensos a confiar em suas recomendações. Eles também são mais fáceis do que alistar uma celebridade como um influenciador ou embaixador de uma marca.

3. Foco no storytelling

Em essência, o marketing de influenciadores é sobre storytelling (narração de histórias). As melhores campanhas são criadas quando uma marca se associa a um influenciador para criar um conteúdo exclusivo que realmente envolva o público.

A storytelling se conecta com os clientes e os torna mais propensos a fazer uma compra. Um estudo da agência de publicidade Hill Holliday descobriu que os clientes não estão apenas mais propensos a comprar de uma marca com uma boa história: eles também têm maior probabilidade de pagar um preço maior por item.

Para que o conteúdo realmente entre em sintonia com o público-alvo, o influenciador precisa capturar a atenção de seus seguidores de maneira convincente. Uma foto simples com um produto em segundo plano não chamará mais a atenção do público para a marca nem irá influenciar o consumidor a comprar. O conteúdo de vídeo é o formato indicado para ajudar uma história a ganhar vida e a entrar em sintonia com os clientes.

4. O conteúdo de vídeo e transmissão ao vivo estão crescendo nas mídias sociais

Temos pouco tempo e atenção, mas adoramos nos divertir. É por isso que o video marketing está crescendo em todas as plataformas e atualmente representa mais de três quartos de todo o tráfego da Internet.

Os vídeos parecem mais autênticos e divertidos de assistir, e é por isso que os influenciadores digitais continuarão experimentando as tendências de video marketing. Eles estão aproveitando a natureza envolvente do conteúdo de vídeo, que pode ser mais eficaz na condução de vendas do que o conteúdo baseado em texto.

As marcas também patrocinam transmissões ao vivo de influenciadores em plataformas sociais, incluindo Instagram e Facebook. As colaborações de influenciadores transmitidas ao vivo podem incluir unboxing de produtos em tempo real, perguntas e respostas, promoções e filmagens de bastidores em eventos. As possibilidades são inúmeras. A chave é manter o conteúdo autêntico e envolvente e incluir menções criativas à marca durante a transmissão.

>>> Você sabe qual é a velocidade mínima de internet para uma transmissão ao vivo?

5. Transparência na publicidade

Tem havido crescente preocupação de agências governamentais e grupos de vigilância sobre posts patrocinados em redes sociais. A Federal Trade Commission enviou cartas a influenciadores e profissionais de marketing pedindo-lhes que “divulguem clara e visivelmente seus relacionamentos com as marcas ao promover ou endossar produtos nas mídias sociais”.

A publicidade transparente também nivela o campo de jogo: influenciadores e marcas estão jogando pelas mesmas regras. Portanto, certifique-se de identificar todos os conteúdos pagos. Mesmo que o conteúdo pareça um anúncio óbvio, você precisa divulgar a parceria em cada postagem paga. Uma opção é usar hashtags como #anúncio, #patrocinado ou #postpago para deixar claro que a postagem foi patrocinada.

6. Autenticidade e honestidade são obrigações para o influenciador

O público tem tolerância zero para o conteúdo que é falso ou forçado. Por isso, os influenciadores devem se conectar honestamente com as marcas que eles estão endossando. Esse tipo de marketing só funciona se um influenciador for autêntico na forma de promover um produto. Eles devem genuinamente gostar da marca, ou a campanha vai fracassar.

De fato, muitas marcas buscam influenciadores que já estão usando seus produtos. E, quando possível, as empresas devem incentivar seus influenciadores a dar feedback sobre os produtos que estão promovendo e falar sobre coisas específicas que eles gostam, como eles o usam no dia a dia e outras informações interessantes.

7. A fraude dos influenciadores e os seguidores falsos

À medida que o marketing de influenciadores aumenta, um lado sombrio desse negócio começa a mostrar uma cara feia: a fraude de influenciadores. Isso acontece quando estes aumentam artificialmente o número de seus seguidores e likes. Às vezes usam automação e serviços apoiados por bots para aumentar o número de curtidas que seus posts recebem. Alguns influenciadores aumentam seus seguidores com base na regra da reciprocidade, “um follow por um follow”. Mas nem sempre essa é uma situação clara.

Alguns influenciadores que nunca pagaram pelos followers podem ter seguidores falsos em sua conta. Isso porque as chamadas like farms (tipo de fraude virtual através da qual um grande grupo de pessoas é contratado para dar likes em postagens) precisam seguir mais do que seus clientes para ultrapassar filtros criados para capturá-las. Até 20% dos seguidores de influenciadores de nível médio são provavelmente fraudulentos, de acordo com um estudo do Grupo North Points.

O que isto significa é que as marcas precisam examinar e responsabilizar seus influenciadores. É necessário olhar além do número bruto de seguidores e likes e avaliar a qualidade do envolvimento dos influenciadores com seu público.

8. O surgimento de influenciadores virtuais

Uma tendência emergente para se ficar de olho é o uso de avatares cuidadosamente selecionados como influenciadores. Essa tendência foi impulsionada pela criação da primeira garota ficcional da Internet e influenciadora virtual, Miquela Sousa – ou Lil Miquela.

Ela é uma modelo de 19 anos que mora em Los Angeles e seu feed no Instagram está repleto de posts destacando suas roupas. Miquela também lançou várias músicas próprias no Spotify e acumulou mais de 1,5 milhão de seguidores no Instagram.

Sua existência 100% virtual está causando tanto respeito quanto ira entre os observadores de tendências, os quais tentam decidir se amam ou odeiam esse novo desenvolvimento no marketing de influência.

Os criadores de Lil Miquela estão envoltos em sigilo, mas sabemos que ela é uma das embaixadoras mais influentes da Ugg Footwear, que a recrutou para sua campanha de 40 anos da marca de calçados.

9. O Instagram ainda é rei, mas não ignore as plataformas emergentes

O Instagram continua a reinar como a rede social mais importante para o marketing de influenciadores, em grande parte devido à sua enorme base de usuários e conteúdo de vídeo facilmente digerível. Mas não é a única plataforma boa para isso. O YouTube também está cheio de possíveis influenciadores, especialmente se você estiver segmentando um grupo demográfico mais jovem.

O marketing de influenciadores do Facebook, Pinterest e Snapchat está crescendo também. Os blogs ainda estão atrás do Instagram e do Facebook, mas eles aumentaram em popularidade nos últimos anos. Muitos influenciadores em mídias sociais estão adotando o formato de blog para conteúdos mais robustos. Esses blogs exibem produtos e conteúdos mais informativos e detalhados.

10. Expanda seu plantel

Como a maioria dos micro-influenciadores tem um público relativamente pequeno, as marcas precisam encontrar formas de multiplicar o impacto de suas influências. Para fazer isso, eles geralmente procuram expandir o plantel de influenciadores que usam.

Talvez seja melhor você não apostar todas as fichas no mesmo influenciador. O uso de vários influenciadores aumenta as menções ao produto e o envolvimento com a marca. Assim você alcança diferentes públicos, além de explorar as maneiras exclusivas de enquadrar um produto entre diversos influenciadores.

Mas cuidado: quanto mais influenciadores uma marca usa, mais complicada a campanha pode se tornar. A chave é incorporar influenciadores como parte da equipe de marketing. Traga-os a bordo, mantenha-os entusiasmados com um projeto e estabeleça expectativas claras, mas dê a eles espaço para trabalharem com criatividade e se envolverem com seus seguidores.








 

Cristian Amaral
Cristian Amaral
Avesso ao formato goela abaixo do outbound marketing. Fisgado pela abordagem mais respeitosa do inbound marketing. Publicitário por formação, redator por gosto. Assim como todo mundo, nadando no tsunami de informações e tecnologias, mas sempre atento ao fato de que, no final das contas, seguimos lidando com pessoas.

Os comentários estão encerrados.