Estatísticas e insights sobre o consumo de vídeo on-line em 2018 - K2.
vida de youtuber e esgotamento andam juntos
Vida de YouTuber: esforços levam os criadores ao esgotamento físico e mental
26 de setembro de 2018
5 tendências para redes sociais
Cinco tendências para redes sociais que afetarão o marketing digital
10 de outubro de 2018

Estatísticas e insights sobre o consumo de vídeo on-line em 2018

estatísticas e insights sobre o consumo de vídeo on-line em 2018

O futuro do marketing on-line é o conteúdo em vídeo, formato líder para marcas e anunciantes.  Por isso, entender o consumo de vídeo on-line é uma obrigatoriedade para quem quer obter a melhor performance com as produções audiovisuais na internet.

Por isso,  a empresa de video marketing PROMO decidiu se aprofundar para descobrir como, quando e onde as pessoas preferem assistir a vídeos on-line, e realizou um estudo com entrevistados de todas as idades ao redor do mundo.

Como resultado da pesquisa, surgiram vários insights poderosos sobre comportamentos dos consumidores, os quais podem ser usados pelos profissionais de marketing para promover práticas recomendadas e melhorar os resultados de seus negócios.

O valor do video marketing

Com o lançamento do Facebook Watch e do IGTV, não há dúvidas de que o video marketing está maior do que nunca. Os consumidores não apenas gostam de assistir a vídeos: eles assistem muito, e diariamente.

De acordo com a pesquisa, 44% dos consumidores assistem a pelo menos cinco vídeos on-line por dia. Isso representa quase metade dos participantes assistindo a mais de cinco vídeos todos os dias. Mais incrível ainda: daqueles que assistem cinco ou mais vídeos por dia, cerca de 35% dizem que assistem mais de dez vídeos on-line diariamente.

As pessoas gostam tanto de assistir e compartilhar conteúdo audiovisual que o video marketing é a escolha natural para empresas que desejam distribuir amplamente o conteúdo da marca.

Resultados da pesquisa

Nesta primeira parte do artigo, vamos listar os principais dados levantados pelo estudo. Em um segundo momento, analisaremos os insights proporcionados por esses dados, traduzindo-os em dicas e tendências para serem usadas pelos profissionais de marketing.

O estudo não apenas confirmou que as pessoas adoram conteúdo de vídeo, como também ensinou muito sobre os hábitos de assistir a vídeos on-line, a exemplo desses tópicos:

  • 56% das pessoas passam a maior parte do tempo no Facebook, enquanto 18% passam a maior parte do tempo no Instagram.
  • 47% das pessoas assistem a mais vídeos no Facebook, enquanto 41% fazem isso no YouTube, e apenas 8% no Instagram.
  • 71% das pessoas disseram considerar os vídeos patrocinados em seu feed do Facebook como “relevantes” ou “altamente relevantes” para eles.
  • A maioria das pessoas lê o texto da legenda acima do vídeo com bastante frequência. Apenas 10% disseram que raramente leem a legenda.
  • 58% das pessoas disseram que costumam interagir com os vídeos que assistem on-line.
  • 70% das pessoas disseram que costumam visitar o site da empresa depois de assistir a um vídeo.
  • 60% das pessoas disseram que visitam a página da marca no Facebook depois de assistir a um vídeo.
  • O Facebook gera mais de 8 bilhões de views por dia ao redor do mundo (levando em consideração os views de apenas 3 segundos, isso representa o equivalente a 760 anos de vídeo visualizados todos os dias).

Narrações e legendas são ambas populares

  • 32% preferem vídeos apenas com narrações
  • 24% preferem vídeos com narrações e legendas
  • 20% preferem vídeos apenas com legendas
  • 24% não tem preferência

Homens gostam mais de vídeos com som do que as mulheres

  • 65% (entre homens e mulheres) prefere assistir a vídeos no Facebook com o som ligado
  • 70% dos homens prefere assistir a vídeos no Facebook com o som ligado
  • 58% das mulheres prefere assistir a vídeos no Facebook com o som ligado

As Stories estão crescendo

  • 68% assiste Stories no Facebook ou no Instagram “às vezes” ou “sempre”
  • 81% das pessoas com menos de 34 anos assiste Stories no Facebook ou no Instagram “às vezes” ou “sempre”
  • 52% posta Stories no Facebook ou no Instagram

Por mais interessantes que sejam todos esses insights, quais são as maiores sacadas e o que elas significam em termos práticos para os profissionais de marketing? Vamos explorar as tendências com mais detalhes.

#1. Facebook é a maior plataforma de vídeo em 2018

Uma das descobertas mais notáveis é que o Facebook parece ter superado o YouTube como a plataforma mais popular para assistir a conteúdo em vídeo.

Dos entrevistados, 47% disseram assistir a vídeos com mais frequência no Facebook, em comparação com apenas 41% que assistem à maior parte do conteúdo de vídeo no YouTube. Esta é uma mudança interessante, que marca o sucesso dos esforços do Facebook para transformar sua plataforma, de modo a aproveitar o aumento do consumo de vídeo on-line.

>>> Conheça as dificuldades da vida de YouTuber e o esgotamento por não conseguirem parar de produzir

O Facebook aumentou o alcance e a prevalência do conteúdo de vídeo nativo, em comparação com vídeos compartilhados de outras plataformas (por exemplo, links do YouTube). Um estudo descobriu que o conteúdo de vídeo nativo recebe, em média, 477% mais compartilhamentos e 530% mais comentários do que vídeos vindos de outras plataformas e postados no Facebook.

As mudanças recentes no algoritmo parecem ter inclinado a balança a favor do Facebook, tornando-se o campeão do marketing de vídeo em 2018.

Voltando a olhar para a tendência mais ampla, o YouTube agora está servindo mais de 1 bilhão de horas de conteúdo todos os dias. Enquanto isso, em 2015, o Facebook disse que seus usuários estavam gerando mais de 8 bilhões de visualizações de vídeo todos os dias – um número que só aumentou nos últimos anos.

Independentemente do ângulo pelo qual você está olhando, os fatos são claros: o vídeo está dominando como a forma mais popular de conteúdo em praticamente todas as plataformas.

Os profissionais de marketing devem aproveitar essa tendência e investir em vídeo nos canais sociais, mas especialmente no Facebook. Para obter o máximo de valor de cada conteúdo, o vídeo criado para uma plataforma pode (e deve) ser reutilizado no formato nativo para outros canais.

Portanto, ao invés de compartilhar links de um vídeo do YouTube no Facebook ou no LinkedIn, é melhor enviá-lo diretamente da plataforma, para que você se beneficie de um aumento no alcance e no engajamento.

Instagram, Twitter e LinkedIn estão ficando para trás em termos de popularidade, com apenas 12% dos entrevistados dizendo que assistem à maioria do conteúdo de vídeo em qualquer uma dessas plataformas combinadas.

#2. Vídeos e conteúdo patrocinado estão fortemente conectados

Quando perguntados “Quão relevante você considera os vídeos patrocinados que aparecem em seu feed?”, surpreendentemente, 71% dos consumidores disseram achar “relevantes” ou “altamente relevantes” os vídeos patrocinados.

Em vista disso, não é surpresa que os anúncios em vídeo no Facebook tenham quase dobrado de popularidade desde 2015.

Esta é uma notícia fantástica para os profissionais de marketing, porque confirma que seus orçamentos sociais pagos estão sendo bem aproveitados. Os consumidores não apenas assistem a vídeos patrocinados, mas também os consideram relevantes (o que, é claro, é fundamental para o sucesso do marketing).

Para os profissionais de marketing, isso também aponta para a extrema importância de segmentar corretamente os usuários. Os consumidores esperam que o conteúdo social patrocinado seja perfeitamente adaptado às suas vidas e aos seus interesses.

Facebook e Instagram fazem um trabalho incrível de curadoria de vídeos para garantir que as pessoas certas vejam o conteúdo patrocinado. Desde que você crie vídeos de qualidade e segmente seu público-alvo corretamente, é provável que as pessoas assistam e interajam com seus conteúdos.

Embora alguns possam ver como uma desvantagem a mudança do Facebook para um modelo de marketing pago, o fato de que o vídeo patrocinado está ressoando com os espectadores significa que o formato  play-to-pay ainda pode valer a pena. A chave é ter certeza de segmentar corretamente seu público-alvo.

#3. Conteúdo de vídeo estimula a ação

Está claro que os vídeos em redes sociais, especialmente no Facebook, estão se conectando com os usuários. Mas eles estão realmente gerando resultados tangíveis ou inspirando ações por parte dos consumidores?

A resposta obtida no estudo é um retumbante SIM.

Mais da metade dos entrevistados (58%) disse reagir de alguma forma aos anúncios em vídeo on-line. Mais importante: uma grande parte dos espectadores realiza ações específicas em resposta aos anúncios em vídeo.

Surpreendentemente, 70% dos entrevistados disseram que “às vezes” ou “frequentemente” visitam o site de uma empresa depois de ver um anúncio em vídeo on-line. Além disso, outros 60% visitam a página ou o perfil de uma marca depois de assistir a um vídeo em redes sociais.

Esses resultados atestam o poder dos anúncios em vídeo para gerar respostas diretas de clientes e consumidores. Também ressaltam a importância de incorporar anúncios estratégicos em vídeo como parte de seu mix de marketing, especialmente quando associado a uma CTA (Call To Action – Chamada para a Ação) atraente, que provavelmente se traduzirá em ação do consumidor.

De fato, 89% dos entrevistados dizem que leem “frequentemente” ou “às vezes” o texto ou a legenda em vídeos de mídia social.

>>> Saiba mais sobre a importância da personalização para o marketing de conteúdo em vídeo

Principal lição aqui: o vídeo em redes sociais é uma ferramenta eficaz para motivar os consumidores. Criar um ótimo conteúdo de vídeo não diz respeito apenas a obter curtidas ou visualizações. Além disso, os vídeos ainda podem gerar tráfego para seu website ou página social.

Na verdade, o vídeo pode ser o melhor formato para inspirar os consumidores modernos a agirem.

#4. Os espectadores preferem som, mas podem precisar de legendas

Outra descoberta interessante do estudo é que, ao assistir a um vídeo no Facebook, 65% disseram preferir assistir vídeos com o som ligado.

No entanto, os dados do Facebook mostram que aproximadamente 85% de todos os vídeos visualizados em sua plataforma são assistidos sem som (observe que o Facebook conta como uma “visualização” um vídeo que é assistido por mais de 3 segundos; portanto, simplesmente passar por ele no feed de notícias não seria contado nesse critério).

Além disso, foi descoberto que quase ⅓ de todos os entrevistados preferem assistir a vídeos on-line com a narração, enquanto que menos de ¼ preferem assistir com narração e legendas. Cerca de 20% dos entrevistados disseram preferir que não haja legendas e somente voz, e outros ¼ disseram que não têm preferência.

Se considerarmos essas ideias em conjunto, podemos ver que, embora os usuários tenham uma forte preferência por exibir vídeos com som ativado, eles nem sempre estão em posição de fazer isso. Por exemplo, alguns espectadores provavelmente assistem a vídeos sem som durante seus deslocamentos para evitar incomodar os que estão ao seu redor, mesmo que eles prefiram assistir com som.

Isso sugere que os profissionais de marketing devem criar vídeos com som e legendas para que sejam acessíveis ao público em todas as circunstâncias.

Indo mais longe nos resultados da pesquisa, foi detectada uma diferença interessante na preferência sonora entre homens e mulheres. Enquanto aproximadamente 70% dos homens preferem assistir vídeos no Facebook com o som ligado, pouco menos de 58% das mulheres indicaram o mesmo.

#5. A ascensão das Stories

Quer vencer os algoritmos das redes sociais? As Stories podem ser a sua arma secreta.

O Facebook e o Instagram adotaram o conceito do Snapchat e lançaram suas próprias versões de Stories em suas plataformas, permitindo que os usuários compartilhem e visualizem conteúdo visual com restrição de tempo. Essa funcionalidade geralmente tem seu próprio lugar fora do newsfeed normal e atinge diretamente todos os amigos ou seguidores.

Na pesquisa foi descoberto que 68% dos entrevistados assistem a Stories no Facebook ou no Instagram “o tempo todo” ou “às vezes”.

Notavelmente, apenas 52% dos entrevistados disseram que eles próprios publicam Stories. Como há muito mais pessoas visualizando esse conteúdo do que aquelas que estão criando e compartilhando, as Stories podem representar uma grande oportunidade para as marcas obterem mais visualizações diariamente.

Por fim, a popularidade das Stories é especialmente alta entre os consumidores da geração dos Millennials, com 81% dos entrevistados com menos de 34 anos dizendo que as assistem “às vezes” ou “o tempo todo”.

Podemos esperar que os canais sociais apresentem ainda mais formatos e estilos novos para criar e compartilhar conteúdo em vídeo, o que abrirá oportunidades interessantes para as marcas alcançarem e envolverem os clientes on-line. Como o vídeo continua a crescer em popularidade, as empresas que já investem em conteúdo de audiovisual estarão em melhor posição para capitalizar em cima de formatos e canais emergentes.

Sobre o estudo

Enquanto importante fornecedora de vídeos criativos para empresas, a PROMO decidiu pesquisar hábitos populares de assistir a vídeos on-line e descobrir as preferências do consumidor para visualizar e interagir com conteúdo em vídeo.

A pesquisa alcançou mais de 500 pessoas em todo o mundo para compor o estudo.

Para dar um pouco mais de contexto para a interpretação dos resultados, veja a seguir um resumo perfil dos participantes da pesquisa:

  • A divisão de gênero foi 41,51% feminina e 58,49% masculina
  • Faixa etária de adolescente a sênior (todas as idades)
  • 8% tinham 24 anos ou menos
  • 40% tinham idades entre 25 e 44 anos
  • 47% tinham idades entre 45 e 64 anos
  • 5% tinham mais de 65 anos
  • Usuários do Android representaram cerca de 48%
  • Os usuários do iPhone representaram 51% (1% dos entrevistados não possui um celular).

 

Cristian Amaral
Cristian Amaral
Avesso ao formato goela abaixo do outbound marketing. Fisgado pela abordagem mais respeitosa do inbound marketing. Publicitário por formação, redator por gosto. Assim como todo mundo, nadando no tsunami de informações e tecnologias, mas sempre atento ao fato de que, no final das contas, seguimos lidando com pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *