Como funciona o streaming de vídeo • K2. - Solução em Comunicação Digital
Sete principais métricas de uma plataforma de vídeos profissional
19 de outubro de 2017
Plataforma profissional: conheça os prós e contras de migrar vídeos
6 de novembro de 2017

Como funciona o streaming de vídeo

Como funciona o streaming de vídeo

Atualmente, perguntar para qualquer usuário da internet se já assistiu a um streaming de vídeo seria bastante redundante. Na verdade, parece que nos dias de hoje há uma inundação deles, já que estão integrados em praticamente todos os sites, e se tornaram tão intrusivos que os navegadores como o Google Chrome estão chegando a formas de silenciá-los. No entanto, o streaming é uma tecnologia útil, e pode ser o futuro das visualizações da televisão. Diante de tanta expressividade, é desejável que se entenda como funciona o streaming de vídeo.

A partir desta matéria, publicada no site DSL Reports, conseguimos entender a dinâmica do streaming, assim como suas vantagens e precariedades.

Streaming não é download

O streaming é o conteúdo de vídeo comprimido enviado pela internet para a exibição ao usuário final. Ele é diferente do download de vídeo: no download, todo o arquivo deve ser recebido antes de poder ser visualizado; no streaming, o conteúdo é visto enquanto é recebido.

A grande vantagem do streaming de vídeo em relação ao download é que, no primeiro, o usuário pode ter acesso a uma biblioteca de conteúdo – pronta para ser transmitida para o dispositivo – muito maior do que a quantidade que poderia ser armazenada localmente com downloads. No entanto, como o streaming de vídeo precisa ser enviado, a desvantagem é que ele exige largura de banda de dados (quanto maior a resolução, mais dados).

Em uma situação sem acesso a uma grande largura de banda de dados, como em um avião (esta situação está mudando lentamente com a implementação do Wi-Fi em voos), pode se tornar impossível assistir a uma transmissão de conteúdo de vídeo. E como qualquer usuário de smartphone sabe, o streaming de vídeo usa bastante vida útil da bateria do dispositivo.

Vamos olhar de perto o site de streaming de vídeo mais popular da internet, o YouTube, o qual permite que o conteúdo do usuário seja carregado em seus servidores. Quando um usuário solicita o vídeo, o YouTube decide qual a melhor qualidade de vídeo a ser transmitida para o usuário, dependendo do navegador. O YouTube envia vídeo via protocolo Flash Video, que é um arquivo “.flv”. À medida em que os dados são recebidos pelo usuário, o vídeo começará a ser reproduzido. Ao contrário do download de um arquivo, com o streaming de vídeo o conteúdo será reproduzido à medida que mais dados forem recebidos.

Força e fraqueza ao mesmo tempo

O benefício do streaming de vídeo, pelo qual o conteúdo pode ser reproduzido conforme está sendo recebido, também é o seu calcanhar de Aquiles. O streaming tende a ser bastante sensível à largura de banda e, com uma conexão de internet mais lenta, torna-se difícil receber e reproduzir o vídeo, especialmente com conteúdo de qualidade superior.

As estimativas variam, mas um consenso geral é que o streaming requer 3 Mbps para vídeo de definição padrão, 5 a 8 Mbps para 1080p e 25 Mbps para um streaming de vídeo de 4K. Além disso, enquanto o YouTube e similares dependem das velocidades de download, em um bate-papo de vídeo ao vivo, por exemplo, o usuário não só precisa baixar como também fazer o upload de seu stream, e a maioria das conexões de internet não são simétricas e têm velocidades mais baixas no lado do upload.

Congestionamentos e falta de largura de banda

Enquanto a transmissão de vídeo era nada mais do que uma novidade há uma década, hoje em dia o streaming é essencial, e as horas nobres de visualização de TV (20h às 23h) se transformaram nas horas de pico do Netflix e do congestionamento da internet, fato que expôs a falta de largura de banda para sustentar tamanho consumo. Não esqueça de que agora é comum entre as famílias ter vários usuários simultaneamente assistindo a vídeos, o que pode sobrecarregar a largura de banda da internet.

Hoje em dia, é melhor planejar e comprar largura de banda suficiente, com base nas suas necessidades e expectativas, até que todos possamos ter nossas conexões “Gigabit “de internet (sarcasmo intencional no comentário).

Quer saber se você tem largura de banda suficiente para fazer o streaming de um ou vários vídeos? É fácil de verificar. Use a ferramenta Stream Test. Simplesmente adicione uma combinação de vídeos de 720p, 1080p e / ou qualidade 4K, de vários provedores, e então será emitida uma estimativa sobre a largura de banda de download usada e se a conexão pode lidar com essa demanda.

Além disso, é importante estar ciente de que você não deve usar toda a largura de banda do download, pois há outros processos simultâneos que a requerem. Então, no que tange velocidades de banda larga na Internet, é sempre melhor ter a mais do que a menos.

Novo padrão de consumo de vídeos

Na última década, o streaming de vídeo passou de uma novidade para uma maneira comum de visualizar conteúdo. Na verdade, atualmente é o modo padrão de visualização de TV tanto para cord-cutters (“cortadores de fio”, aqueles que abdicaram da TV e seu uso tradicional em prol do computador ou dispositivos móveis e o consumo de vídeos via internet de banda larga) quanto para cord-nevers (aqueles que nunca tiveram TV por assinatura e, muitas vezes, nem TV).

Neste post você pode obter mais informações sobre a tendência do vídeo ocupar 100% da geração de conteúdos em um futuro próximo.

O que você acha disso tudo? O streaming substituirá por completo a TV tradicional, seja aberta ou a cabo? De modo geral, como são suas experiências de consumo de vídeos via streaming?

Convidamos você para discutir problemas, experiências e desafios com o streaming de vídeo nos comentários abaixo.

Cristian Amaral
Cristian Amaral
Avesso ao formato goela abaixo do outbound marketing. Fisgado pela abordagem mais respeitosa do inbound marketing. Publicitário por formação, redator por gosto. Assim como todo mundo, nadando no tsunami de informações e tecnologias, mas sempre atento ao fato de que, no final das contas, seguimos lidando com pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *